.

slides

Boletins informativos

.

domingo, 11 de julho de 2010

O BEM AMADO - DIAS GOMES -->>Audiobook em Mp3 Para Download


O BEM AMADO - DIAS GOMES

O prefeito Odorico Paraguaçu, um político corrupto e cheio de artimanhas, tem como meta prioritária em sua administração na cidade fictícia de Sucupira, litoral baiano, a inauguração do cemitério local. De um lado, é bajulado pelo secretário gago, Dirceu Borboleta, profundo conhecedor dos lepidópteros; e conta com o apoio incondicional das irmãs Cajazeiras, suas correligionárias e defensoras fervorosas: Dorotéia, Dulcinéia e Judicéia. Dorotéia é a mais velha, líder na Câmara de Vereadores da cidade. Dulcinéia, a do meio, é seduzida pelo prefeito. E Judicéia é a mais nova - e mais espevitada. São três solteironas avessas a imoralidades - pelo menos em público, já que Odorico sempre aparece de noite para tomar um "licor de jenipapo"... De outro, tem que lutar com a forte oposição liderada pela delegada de polícia Donana Medrado, que conta com o dentista Lulu Gouvêia, inimigo mortal do prefeito e líder da oposição na Câmara - atracando-se constantmente com Dorotéia no plenário. E ainda com o jornalista Neco Pedreira, dono do jornal local, A Trombeta. O meio-termo se intensifica com a presença de Nezinho do Jegue, defensor fervoroso de Odorico quando sóbrio, e principal acusador, quando bêbado! Maqui avelicamente, o prefeito arma tramas para que morra alguém, sendo sempre mal sucedido. Nem as diversas tentativas de suicídio do farmacêutico Libório, um tiroteio na praça e um crime lhe proporcionam a realização do sonho. Para obter êxito, Odorico traz de volta a Sucupira um filho da terra: Zeca Diabo, um pistoleiro redimido, que recebe a missão de matar alguém para a inauguração do cemitério. Como se não bastasse, Odorico ainda tem que enfrentar os desaforos de Juarez Leão, médico personalístico da oposição, que se envolve com sua filha Telma e faz um bom trabalho em Sucupira, salvando vidas - para desespero de Odorico.

O Bem Amado” foi à primeira novela em cores e a consolidação do horário das 22 horas para novelas. A inspiração do autor, Dias Gomes, partiu de um fato ocorrido no Espírito Santo, onde um candidato a prefeito se elegeu com a promessa de construir um cemitério.

A novela foi a transposição da peça “Odorico, O Bem Amado, e os Mistérios do Amor e da Morte”, que Dias Gomes só conseguiu encenar em 1969


DIAS GOMES



BIOGRAFIA DE DIAS GOMES, EXTRAÍDA DO DEPOIMENTO DADO POR ELE AO MUSEU DA TELEVISÃO BRASILEIRA, EM 27/11/98

Alfredo de Freitas Dias Gomes, o conhecido teatrólogo Dias Gomes, é baiano, de Salvador. Nasceu a 19 de outubro de 1922, filho do engenheiro arquiteto Plinio, que faleceu quando Dias Gomes tinha apenas três anos de idade, deixando a educação dos três filhos à esposa. Esta, embora tendo sido preparada apenas para as prendas domésticas, lutou muito, para educar os filhos. O mais velho formou-se em Medicina, mas Dias Gomes... Esse não gostava de estudar. Era mais dado ao futebol, à praia, às conversas.

Mas, com 15 anos apenas, já ganhou um primeiro prêmio com uma peça de teatro, que foi inscrita num concurso do Serviço Nacional de Teatro. Aí recebeu seu primeiro dinheiro. E é de se registrar, que jamais tinha assistido ou lido uma peça teatral. Aos 19 anos, agora já em caráter profissional, escreveu “Pé de Cabra”, peça que foi encenada por Procópio Ferreira e que fez grande sucesso. Procópio propôs ao garoto um contrato de exclusividade. Mas esse contrato durou só um ano, já que o renomado ator exigia um estilo diferente do de Dias Gomes. Dias Gomes aceitou então o convite de Oduvaldo Viana e foi para São Paulo, participar de um grupo de redatores para a Rádio Pan-americana. Era o rádio-teatro que surgia. E Dias Gomes, ao lado de Oduvaldo, Mario Lago e outros, aceitaram o desafio. Escrevia adaptações de grandes obras da Literatura Universal.

Chegou a escrever, ao todo, cerca de 500 adaptações para o rádio. Nessa época já sofreu alguma perseguição política. E o jovem Dias Gomes da Rádio Pan-americana foi para as Rádios Tupis e Difusoras, sempre na mesma linha de trabalho. Foi depois para a Rádio América e a seguir para a Rádio Bandeirantes. Bem jovem, teve um casamento prematuro com Madalena. Mas foi no tempo da Tupi, que conheceu Janete Clair, que se tornou mais tarde, uma novelista famosa, e com quem Dias Gomes ficou casado por 33 anos, até a morte dela. Tiveram três filhos. A ida para o Rio de Janeiro, já com Janete, deu-se em 1950. Foi para a Rádio Tamoio, depois passou a diretor da Rádio Clube do Brasil, que era de Samuel Weiner. Foi em 1953 que Dias Gomes foi para Moscou, fato considerado profundamente “subversivo”, na época. Havia a famosa “Cortina de Ferro”, e Dias foi fotografado em plena “Praça Vermelha”, carregando flores. Carlos Lacerda, grande político e inimigo de Weiner, publicou a foto de Dias, sob o título: “Diretor da Rádio Clube leva flores para o túmulo de Stalin, com dinheiro do Banco do Brasil”. Não era verdade, mas Dias Gomes caiu em desgraça. Não conseguiu mais trabalho no país, e sua entrada para a Globo, deu-se de forma clandestina. Escrevia com 3 pseudônimos diferentes, entre os quais, o de sua mulher, Janete Clair.

Era assim que ganhava seu dinheiro, embora sempre tivesse continuado a escrever para o teatro, que era realmente “a sua vida”, como Dias Gomes dizia. Com o passar do tempo, porém, foi colocando seu nome nas suas novelas, que fez muito sucesso. Entre outras: “Verão Vermelho”, “Sinal de Alerta”, “Bandeira 2”, “Espigão” ,, “Saramandaia”, “Roque Santeiro”. Todas tiveram problemas com a censura, e “Roque Santeiro” só conseguiu ir ao ar, dez anos depois de escrita. Seu “estilo” forte, porém, marcou o “estilo” da Globo, um estilo bem brasileiro. Mas continuou sendo o teatro, a grande paixão do escritor.

E suas peças lhe trouxeram muitos prêmios. “O pagador de promessas”, por exemplo, ganhou todos os prêmios, tanto em teatro, como em cinema, para o qual foi adaptado. Suas outras peças, como: “O Santo Inquérito”, “O Berço do Herói”, “A invasão”, “Rei de Ramos”, todas plasmadas na realidade brasileira, todas com a personalidade marcante do autor, todas ganhadoras de muitos prêmios. Dias Gomes também escreveu alguns romances e mini-séries, para a TV Globo. Casou-se depois com Bernadete, com quem teve mais dois filhos, Dias Gomes depois lançou um livro auto-biográfico: “Apenas um subversivo”. Uma vez, numa brincadeira, dando uma entrevista à Revista Play boy, Dias Gomes se auto-definiu como “anarco, marxista, ecumênico e sensual”. E o rótulo pegou. E ele concluiu: “Isso diz tudo”. Genial, esse Dias Gomes. Verdadeira glória nacional.

Dias Gomes faleceu em 30 de maio de 2002.







Link:http://www.easy-share.com/1911298191/OBADG.rar

Nenhum comentário:

Related Posts with Thumbnails
Related Posts with Thumbnails

.

Ocorreu um erro neste gadget

AdSense