.

slides

Boletins informativos

.

terça-feira, 7 de setembro de 2010

PAULA -->> Isabel Allende -->> Audiobook para download em Mp3




PAULA





Aclamada autora latino-americana, Isabel Allende sensibilizou milhares de leitores em todo o mundo ao publicar Paula. Em dezembro de 1991, sua filha Paula é internada em um hospital da Espanha, gravemente enferma. A escritora acompanha o sofrimento da filha que se prolonga durante meses, em um coma irreversível, e escreve a história de sua família para a jovem inconsciente, na esperança de que algum dia ela desperte. Encantados, temos acesso às memórias de infância de Isabel Allende, os relatos sobre seus ancentrais, sobre a sua juventude e seus segredos mais íntimos. O Chile e a turbulenta história do golpe militar de 1973, a ditadura e o exílio de sua família são pontos altos dessa autobiografia inesquecível. Paula é uma evocação e um hino à vida, escrito com força e coragem de uma mulher que soube dar a volta por cima.

Isabel Allende nos oferece um livro em que mescla a história de sua família com a história recente do Chile, produzindo alguns parágrafos em que o ato de escrever se transforma em signo de sobrevivência: cria miragens em um deserto real.
os irmãos nico e paula
Deve escrever como única forma possível de suportar a perda iminente de sua filha mais velha, Paula. Isabel escreve sem saber ao certo se sua filha, muito doente, vai poder ler suas memórias, que destino terá suas palavras. É o que motiva seu livro: à espera que sua filha se recupere, decide lhe contar sua história. Paula adoece cada vez mais, e seus manuscritos se transformam em uma tentativa de permanência do que ameaça extinguir-se: a vida de sua filha.

Nas pequenas lembranças, Isabel Allende vai dando forma a sua “Paula”, marcando sua presença na história das gerações de sua família. Pode-se dizer que é um livro que produz uma sobrevivente, pois o caminho por aonde nos conduz a perda de um ente amado é de uma radical elaboração de nossa própria morte. Morte em vida: daquele que não mais somos, deixamos de existir daquela forma, que só éramos para aquele que se foi.
Esse é um escrito que se propõe a contar uma história em que memórias de infância, lembranças coloridas com as tintas das fantasias infantis, conversam com a história do Chile das décadas de 60/70.
“Paula” nos fala das mudanças ocorridas no Chile até se tornar inevitável o exílio da autora – longos anos distante de seus familiares e de seu país. No início do livro, subimos com a criançada para piqueniques em família e visita ao zoológico e, algumas páginas depois, descemos esse mesmo Cerro acompanhando chilenos que necessitavam ajuda (de Isabel) para exilar-se do país.

Essas e muitas histórias se passam ao pé da cama de Paula, em um hospital público de Madri. Vítima de uma doença hereditária, que a lança em poucos dias em um coma profundo, na ânsia de não partir ainda, vida e morte são escritas lado a lado. Essa escritora, com sua espiritualidade pagã, nos ensinam a difícil arte de deixar partir aqueles que já foram, mas que seguem ao nosso lado parte de nós mesmos, nutrindo nosso desejo brutal de que não partam jamais.

Paula, de Isabel Allende não se trata apenas de um drama, em algumas partes é possível observar um ar de comédia, tem algo de sobrenatural e um documentário maravilhoso sobre uma época, um país, um livro para nos fazer rir, chorar e se encantar pela vida magnífica desta pequena grande escritora. Praticamente toda sua história e de sua família com todos aqueles seres esquisitos e esplendidos ao mesmo tempo, em alguns momentos, durante a leitura deste livro, podemos nos achar participando das histórias contadas.
Para quem já leu o ‘clássico’ “A Casa dos Espíritos”, encontramos ainda informações preciosas sobre o processo criativo da autora: construção do enredo e de personagens, bem como as repercussões desse livro em sua vida pessoal.

casamento de Paula
 
 
A AUTORA


Isabel Allende, sobrinha de Salvador Allende (presidente chileno deposto pelos militares) e filha de diplomata, nasceu no Peru, a 2 de agosto de 1942. Antes de publicar livros trabalhou para a FAO (Food and Agriculture Organization, órgão das Nações Unidas) em Santiago e foi jornalista de jornais impressos, revistas femininas e TV. Em 1973, com o golpe de Pinochet e a morte de Salvador Allende, a família de Isabel exilou-se na Venezuela. Posteriormente ela foi viver nos Estados Unidos, onde casou-se. Antes de seus aclamados romances, escreveu histórias infantis e humorísticas no Chile e na Venezuela, além de peças teatrais.

Seu primeiro romance, ´A casa dos espíritos´ (1982, adaptado ao cinema em 1993), foi bem recebido pela crítica, e colocou o nome de Isabel na tradição literária do realismo mágico de Gabriel García Márquez. As crônicas familiares misturadas í política foram também o tema de seu romance seguinte, ´De amor e de sombra´ (1984). Seguiram-se ´Eva Luna´ (1985), ´Histórias de Eva Luna´ (contos, 1989), ´Paula´ (sobre a doença e morte de sua filha, 1991), ´Plano infinito´ (1993), ´Afrodite´ (histórias e receitas afrodisíacas, para as quais contribuiu, segundo a autora, a visita que vez ao Brasil, 1994) e ´Filhas da fortuna´ (1999). Sua fama de escritora, aliada í de sua condição de refugiada, fizeram dela requisitada palestrante nos Estados Unidos e Europa. Foi também professora universitária de literatura (Universidade de Berkeley, entre outras).









Nenhum comentário:

Related Posts with Thumbnails
Related Posts with Thumbnails

.

Ocorreu um erro neste gadget

AdSense