.

slides

Boletins informativos

.

sexta-feira, 9 de julho de 2010

BALA NA AGULHA -->> Marcelo Rubens Paiva -->> Audiobook para Download em Mp3





BALA NA AGULHA


 
O romance Bala na agulha, publicado em 2003 pela ARX e reimpresso este ano pela Objetiva, é a estória cheia de aventuras de Flávio Castilho (Thomaz), um jovem brasileiro que vive ilegalmente em Nova York, onde trabalhou como garoto de programa e depois passou a vender cocaína para figurões, inclusive para gente do consulado brasileiro.
Apesar da atividade de risco, Thomaz se aborrece numa vida sem emoções. Ele se sente estagnado, frustrado, e anseia, pela primeira vez em muitos anos, por uma mudança que o tire da mesmice. A agitação que tanto queria chega como um furacão, na forma de um recado na secretária eletrônica, e trazendo uma reviravolta de conseqüências perigosas para sua vida. Thomaz passa a ser perseguido e se vê envolvido num brutal assassinato em Manhattan. Acostumado ao submundo das drogas e da prostituição - mas também aos círculos mais requintados -, o jovem precisa escapar de uma grande conspiração que se armou contra ele. Depois de ter suas economias de anos de tráfico descobertas pela polícia, vai pedir ajuda a um de seus contatos no consulado, Marcos de Sotto, que lhe promete um passaporte para dar o fora, mas em troca pede que o rapaz faça um serviço. Que é entrar no quarto de uma mulher, uma cliente, supostamente francesa, hospedada no luxuoso Hotel Empire, e realizar sua fantasia – ser estuprada.Meio a contragosto (não por nunca ter simulado um estupro antes, simulou vários, mas porque pensara ter deixado a vida de garoto de programa definitivamente para trás), Flávio faz sua parte, depois vai atrás de Marcos e do passaporte, mas o seu contato simplesmente sumiu do mapa. Para complicar, no dia seguinte o corpo da hóspede é encontrado esquartejado no Empire, sem mãos nem cabeça. E ela não era francesa, mas sim uma brasileira, importante auxiliar (e amante) de um poderoso ministro brasileiro, que por acaso é pai do rebelde Flávio, que deixou digitais e sêmen no quarto da mulher, e agora mais do que nunca tem que fugir, até que consiga entender a teia em que está metido e a verdade venha à tona etc. etc.

Ele pensa em voltar para o Brasil, mas não sabe o que o espera. Afinal, seu pai acaba de ser eleito primeiro-ministro. Mas isso não significa que seus problemas teriam fim - ao contrário, com sua volta para a casa dos pais, sua situação fica cada vez pior e o número de pessoas envolvidas não pára de aumentar







 




 


O AUTOR:

Marcelo Rubens Paiva (São Paulo, 1959) é um escritor, autor teatral e jornalista brasileiro.

Biografia

Nascido em São Paulo em 1959, aos 11 anos de idade sofreu o primeiro grande baque de sua vida: o desaparecimento do pai (o ex-deputado federal Rubens Paiva) pela ditadura militar.Um despertar violento da consciência política. Estudou na USP e Unicamp. E então aos 20 anos de idade , ele sofreu o segundo grande baque: um acidente que o deixou tetraplégico. Hoje, com muita fisioterapia, voltou a locomover as mãos e os braços.

Jornalista, escritor e dramaturgo, é difícil encontrar apenas uma habilidade em destaque no divertido e inteligente Marcelo Rubens Paiva! Após um acidente que o deixou tetraplégico decidiu escrever um livro contando a história da sua vida misturada com histórias fictícias que Marcelo diz que queria que realmente tivessem acontecido. Após o grande sucesso do livro, (Feliz Ano Velho) decidiu-se então entrar para a carreira de escritor e publicou ao longo dessa nove livros. Escreveu inúmeras peças de teatro de grande sucesso, uma delas, a que leva o título de “Da Boca Pra Fora” fez de Marcelo vencedor do premio Shell, como melhor autor em 2000. Trabalhou muitos anos na Folha de S. Paulo e desde 2003 é colunista aos sábados do Caderno 2, do Estadão e já foi apresentador de um programa nos anos 90 na TV Cultura de São Paulo, o já extinto Fanzine. O segredo para tanto sucesso? Mesmo com tantos acontecimentos negativos, Marcelo nunca perdeu o humor em seus escritos, usa muito da ironia e do sarcasmo e tem uma escrita um tanto quanto “despojada”, o que torna os livros diferentes e gostosos de ler.

Desde 1989, depois que estudou dramaturgia no CPT do Sesc, em São Paulo, ele estreou no teatro com a peça 525 Linhas, dirigida por Ricardo Karman. Em 1998, estreou E aí, Comeu?, peça dirigida por Rafael Ponzi, que depois mudou de nome pra Da Boca Pra Fora. Com ela, ganhou o Prêmio Shell, melhor autor, em 2000.

Os livros Feliz Ano velho e Blecaute foram publicados inicialmente pela Editora Brasiliense. Hoje o autor mantém contrato com a Editora Objetiva.

Rafael Ponzi ainda dirigiu suas peças Mais-que-Imperfeito (2001) e Closet Show(2003). Adaptou o livro As Mentiras que Os Homens Contam. Em 2003, estreou a peça No Retrovisor, com Marcelo Serrado e Otávio Müller, dirigida por Mauro Mendonça Filho. Em 2006, fez a peça Amo-te, dirigida pelo mesmo Mauro Mendonça.

Feliz Ano Velho

Em 1979 escreveu um livro sobre o acidente que lhe ocorreu, Feliz Ano Velho, publicado em 1982, que foi traduzido para muitos países. Segundo o livro, seu acidente decorreu de um salto em um lago, no qual fraturou uma vértebra (5ª Cervical) do pescoço ao chocar a cabeça em uma pedra. O livro virou peça dirigida por Paulo Betti e também filme. Ganhou os prêmios Jabuti e Moinho Santista.



 


Marcelo Rubens Paiva ( marcelorubens ) no Twitter:
Outras obras


• Blecaute (1986)
• Ua:brari (1990)
• As Fêmeas (1992)
• Bala na Agulha (1994)
• Não és Tu Brasil (1996)
• Malu de Bicicleta (2004)
• O Homem que Conhecia as Mulheres (2006)
• A segunda vez que te conheci (2008)













Nenhum comentário:

Related Posts with Thumbnails
Related Posts with Thumbnails

.

Ocorreu um erro neste gadget

AdSense